Greve compromete operações da APM Terminals – em Rotterdam

Uma queda-de-braço entre a APM Terminals de Rotterdam e seus 700 funcionários se arrasta há mais de uma semana sem perspectivas realistas de acordo.
 
A greve não cessou completamente as operações do terminal — os trabalhadores usam táticas que vão desde paralisações de seis horas a cada dia, a pausas de 10 minutos por hora para exercícios — mas tem provocado atrasos de várias horas na partida de navios e cancelamento de embarques.
 
Segundo Cor Radings, porta-voz da APM Terminals, há um “impasse completo” entre as partes, prejudicial à reputação de confiabilidade da empresa, e não há planos de retomada das negociações.
 
A disputa foi provocada por mudanças no sistema de aposentadoria holandês. Com a mudança na idade de aposentadoria de 65 para 67 anos, trabalhadores seriam prejudicados, segundo os sindicatos locais, e deveriam receber compensação por isto, o que a APM Terminals rejeita.
 
A APM Terminals de Rotterdam movimenta 2,4 milhões de TEUs por ano, mais da metade dos quais transportada pela Maersk Line.
 
Com infomações de The Journal of Commerce
Anúncios