PORTO DE SANTOS: Dragagem não evita encalhes no canal de acesso

Fernanda Balbino, A Tribuna (Santos)

“Toda semana encalha um navio de contêiner com 11,5 metros no Porto de Santos”, afirma o diretor-presidente da Praticagem de Santos, Fábio Mello Fontes.

Ele se refere à profundidade do canal de navegação do cais santista, mesmo após a conclusão das obras de dragagem de aprofundamento.

Segundo Fontes, existem pontos onde o canal não está com a profundidade anunciada pela Codesp.

A Autoridade Portuária divulgou o fim da dragagem e a profundidade de 15 metros em todos [os] pontos navegáveis do cais santista. Porém, a Marinha do Brasil não homologou as profundidades, pois ajustes precisaram ser feitos.

O prático, que tem 44 anos de profissão e mais de 27 mil manobras no currículo, alerta que não adianta a Marinha homologar a profundidade de 15 metros se, na prática, a realidade é outra e problemas de encalhe continuam acontecendo.

“Vamos colocar a profundidade não no papel, mas lá no canal, para que a gente possa trabalhar em segurança”, afirma Fontes.

O exemplo mais recente dado por Fontes é de um navio que encalhou próximo ao Tecon, na Margem Esquerda (Guarujá) do complexo. O fortíssimo cabo de um rebocador foi estourado na manobra de desatracação.

O presidente em exercício da Codesp, Renato Barco, disse que a empresa concluiu a dragagem de aprofundamento em todo o canal, atingindo a marca de 15 metros. “Devido ao forte assoreamento a dragagem de manutenção é feita constantemente. Mas problema desse tipo pode ocorrer”.

Dois pontos:

 

(1) Diga o que quiser a Autoridade Portuária, se a Autoridade Marítima não homologou, há algo de errado mesmo.

(2) Duvido que saberíamos dos encalhes se o prático fosse empregado do terminal ou do porto.

Uma resposta em “PORTO DE SANTOS: Dragagem não evita encalhes no canal de acesso

  1. Pingback: DRAGAGEM DOS PORTOS: Apenas um aprofundamento foi homologado | Azul Sete Zero

Os comentários estão desativados.